segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Vão...

Eu já perdi tempo demais batendo em mesmas teclas
Você fechou a porta pra minha canção
E eu queria poder te machucar com a minha raiva
Mas não posso
O meu desprezo é só fachada
Está certo, você tem meu coração... até agora
E eu não vou mentir, não adianta
Não vou me prestar a mais uma cena patética querendo te provar que você está me perdendo
Porque não está
Eu é que nunca tive você
Eu é que não posso mais ter medo de perder um jogo que eu nunca tive a menor chance de ganhar
Eu não posso mais fugir de um final
Que afinal
Nunca teve um começo
E eu prometo
Não te darei mais minhas palavras
Nem um segundo sequer dos meus dias ou das minhas noites
Você não terá mais minha disponibilidade caída aos teus pés
Meu olhar amolecido todo encantado e rendido, você não tornará a ver
Nem meus lábios quentes inclinados para os teus
Nunca mais me verá chegar pronta
E nem partir querendo mais do que tudo ficar
Não mais presenciará meus tremores obscenos e os acenos palpitantes do meu peito
Eu não quero olhar mais nada
Nem ouvir, nem lembrar, nem saber, nem dizer
E eu prometo
Sumir no breu
Desaparecer
Como você quis
Agora não
Mas em algum instante do breve momento de recolher meus pedaços todos
que ficaram aí
Espalhados na porta do teu coração
Impedidos de entrar

5 comentários:

Michelle Ribeiro disse...

SENSACIONAL...sem palavras!

André disse...

ok, vc conseguiu transcrever a minha alma....na íntegra!
bjos
te amo master

Iêda disse...

Caracas... Fiquei literalmente de boca aberta com esse texto! rs
Beijão

Luciano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciano disse...

"E era a primeira vez na vida que ela estava com alguém que a fizesse sentir tão especial, só no jeito como a olhava...

Às vezes, no carro, ele terminava de beijá-la, encostava a cabeça no banco e ficava fazendo carinho no rosto dela, e olhava bem fundo dentro dos olhos dela, e tinha tanta ternura naquele olhar que a embriagava... e era demasiadamente sincero...

Ela jamais poderia duvidar..."