domingo, 12 de abril de 2009

...

Porque quando ele sorriu, aquele sorriso largo, aquele sorriso dela... só dela..., o sorriso de menino que ela tanto gostava, toda a tristeza se iluminou por um segundo e restou somente a sensação de que eram os dois, só eles ali naquele espaço permeado por outros olhares, outras conversas, burburinhos alheios ao que eles sentiam... só eles..., e os dois se entendiam no olhar. Ele percebeu a transformação da expressão do rosto dela e o olhar doce que ela lançava pra ele agora, e como resposta o sorriso se tornou menos inocente e mais perspicaz, menos infantil e mais malicioso, e no entanto ainda tinha ali a sagacidade do menino homem que confundia todos os instintos emocionais da mulher moça...

10 comentários:

Iêda disse...

Gostei bastante disseo!! hehehe
beijãó

Iêda disse...

ops.... disso!!!

.::Li Hormigo::. disse...

Ai estes encontrso e desencontros...
Bjsquerosabertudoamanha

Camila Caringe disse...

Esse seu post me lembrou o Amante de Lady Chatterley. Em cartaz no Espaço Satyros II, da Praça Roosevelt!
Por favor, por favor, por favor!
Vá!
Você vai amar essa peça! Prometo!

Michelle Ribeiro disse...

Sou sua fã...de carteirinha!

beijos e bom começo de semana

#Eric Silva# disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vivian disse...

que lindo, que fofo!
beijinhos
Vi

meus instantes e momentos disse...

parabens pelo texto, muito bom.
maurizio

Minhas Púrpuras Reticências... disse...

Muito Lindo!

=)

Meggy disse...

Uuaauuu !