sexta-feira, 12 de junho de 2009

Te espero faminta de pressa!

Fiquei pensando no que escrever aqui hoje. Fiquei pensando primeiro se eu deveria escrever algo. E achei estranho pular o dia 12 de junho, justamente ele, já que todo mundo que costuma me visitar sabe o quanto há de mim em torno desta data.

Fiquei pensando que já que eu não saí pra jantar, já que não fui tirada pra dançar, já que não recebi um buquê de rosas vermelhas com um cartão perfumado, já que não ganhei um beijo apaixonado, nem um “eu te amo” escancarado, talvez eu devesse usar meu tempo livre esta noite pra traçar algumas linhazinhas, só pra variar.

E agora, sentada de frente para o computador aqui neste meu quarto solitário, ouvindo os ecos do filme que minha irmã e meu cunhado assistem bem atrás desta parede, sentindo o cheirinho de sabonete e óleo de ameixa e a quenturinha do banho recém tomado, vestida com peças variadas e coloridas que compõem o que eu chamo de “pijama”, eu me sinto absolutamente "normal".

Não. Eu não estou triste hoje por estar passando mais um dia dos namorados sozinha. Não estou feliz também. Mas eu acho que nunca julguei que o problema maior fosse este. Talvez porque o meu sonho de amor abrace outras coisas que eu julgue maiores.

É claro que o dia 12 de junho é uma data comercial. Todos mundo sabe disso! Mas se eu tivesse o meu amor aqui comigo, o amor da minha vida, eu certamente teria comprado um presente com a antecedência que pede o carinho devido em torno da escolha, teria me banhado com mais detalhes e o pensamento nele, trocaria o “pijama” por uma produção especial, estaria usando o perfume predileto de nós dois e teria perfumado também a casa e enfeitado a mesa pra recebê-lo esta noite.

E com o tantão de amor que eu venho acumulando e guardando num lugar reservado e arejado da minha alma pra entregar a ele quando nos descobrirmos, eu posso afirmar com convicção: eu faria isso hoje, como faria todos os dias de nossas vidas juntos, porque é assim que eu o espero, com o requinte de uma flor enfeitando os meus cabelos.

2 comentários:

Luciano de Sálua disse...

Eu esperava faminto de pressa. Mas as canções me acalmaram. Mesmo assim não parei de chorar. Mesmo assim não parei de amar.

Poesia do Bem disse...

mUITO LINDO AMIGA POETA! BJS E VENHA VISITAR O POESIA DO BEM