quinta-feira, 13 de agosto de 2009

...

Se eu tivesse o dom da poesia, talvez pudesse tornar o mundo ao redor muito menos dolorido. Você pode dizer: Mas o mundo é tão grande! Engana-se. O mundo ao redor de mim é mínimo, quase nada. Se você pudesse ouvir meus gritos de súplica, veria que as machucaduras aqui por dentro sim, são feridas de morte, tremendas que são. Eu detesto me ver chorar no espelho. As marcas de expressão do meu rosto pesam e a enxurrada de lágrimas escancara os poros da minha pele... tudo parece mais real do que numa fotografia. Se eu fosse criança, queria ter o poder de não crescer, e nunca descobrir o gosto amargo do abandono. Se a minha solidão não me abocanhasse assim tão furiosa, eu te convidaria pra sentar-se aqui ao meu lado. Te ofereceria um café adoçado por mim mesma, só pra te mostrar que eu também posso ser gentil. Se eu olhasse bem no fundo do castanho dos meus olhos, perceberia que eles continuam os mesmos, os olhos da menina que sempre sonhou com o dia em que seria a sua flor. Se eu possuísse a leveza do vento, seria capaz de te mostrar a força que há na tempestade de amor que mora em mim. Se eu pudesse, colocaria num caderno tudo o que sou - em forma de poesia, é claro -, porque se eu tivesse o dom da poesia, talvez o meu mundo fosse mais eu e menos o mundo todo.

5 comentários:

Virgínia Ribeiro disse...

Que lindo.
Minha flor, vc já escreve poeticamente!!!
bjus

Iêda disse...

Amei estas palavras todas... beijos

.::Li::. disse...

Ah, vc pode ser tudo que quiser ser...acredite! ;)

Bjs

Rakal D'Addio disse...

Oi, meu café é sem açúcar. abraços

Rakal D'Addio disse...

Oi. Meu café sem açúcar, por favor. Abraços